O que muda no nosso dia-a-dia quando vamos morar no Canadá

Eu estava de bobeira no YouTube quando vi um vídeo da Kitty (Kitty No Canadá) sobre hábitos que perdemos quando nos mudamos pro Canadá. Achei o vídeo bem legal (assistam aqui) e comecei a pensar em como algumas coisas da minha rotina mudaram neste 4 anos e meio em que moro em Edmonton.

Então decidi fazer meu próprio post, inspirado pelo vídeo da Kitty 🙂

Tirar o sapato quando chega em casa

Acho que esse é unânime: todo mundo que vem morar no Canadá acaba adquirindo o costume de tirar o sapato quando chega em casa. E sim, você faz isso também quando vai na casa dos outros (mesmo que esses outros nem sejam canadenses).

É algo bem forte da cultura daqui e sinceramente hoje eu acho estranhíssimo andar de sapato dentro de casa! Quando vou ao Brasil, continuo tirando ao entrar.

Levar marmita para o trabalho

Quem trabalha fora no Brasil não tem muito o hábito de cozinhar durante a semana pois existe o famoso Vale Refeição. No Canadá, isso não existe: aqui, a empresa não é obrigada a custear a alimentação do funcionário, o que significa que, se você quiser comer fora, vai pagar do próprio bolso, sem subsídio nenhum. Então, para economizar, muita gente traz a boa e velha marmita para o trabalho.

Na minha época de Brasil, algumas pessoas tinham uma certa vergonha de fazer isso (apesar de que eu acho que isso vem mudando, até por questões de alimentação saudável etc), mas aqui é a coisa mais comum e trivial do mundo. Claro, algumas pessoas ainda comem fora ou pedem comida, mas aí vai da condição financeira de cada um hehe.

O que eu tenho feito ultimamente é todo começo de semana planejar o almoço dos próximos dias e comprar no mercado os legumes necessários (e na quantidade necessária, pra evitar desperdício). Aqui, meal prep é fundamental!

Cumprimentar as pessoas apenas com aperto de mão (ou nem isso)

No começo achava estranho, mas os canadenses não esse hábito de cumprimentar desconhecidos com um abraço e dois beijinhos (ou um). Então fui obrigada a abandonar esse costume (na verdade, deixo ele apenas para cumprimentar brasileiros) e me contento com um aperto de mão ou um aceno. Nas poucas vezes que decidi abraçar um canadense, notei que a pessoa ficou bem sem-graça, então achei melhor parar com isso de uma vez.

Inclusive, já que estamos falando de cumprimentar, uma coisa que mudou foi cumprimentar e conversar com os vizinhos do prédio. Não conheço ninguém do meu prédio e raramente dou ou escuto um bom dia/tarde/noite. Aqui o pessoal é mais fechado mesmo, não é que nem nós brasileiros que saimos falando com todo mundo hehe.

Parar de ver tv convencional (aberta ou a cabo)

Os canais de TV ainda são muito fortes no Brasil, com programas tradicionais como os dominicais, novelas e telejornais. Aqui, eu nem sei mais o que é isso. Não vejo jornais e não faço ideia da programação de tv. Na verdade, nem tenho mais tv por assinatura. Hoje em dia, 100% do que eu assisto é por alguma plataforma de streaming (Netflix, Amazon Prime, Crave TV etc). O fato de esses serviços serem relativamente baratos aqui facilita também.

Comprar bebidas alcóolicas em lojas especializadas

Não sei se isso vale no Canadá todo, mas aqui em Alberta, supermercados comuns não vendem bebidas alcoólicas. É lei na província. Então aqui em Edmonton, se queremos qualquer coisa com álcool, desde uma cervejinha até um uísque, só indo na Liquor Store. E mostrando a ID.

Checar a previsão do tempo diariamente

Quando eu morava no Rio, só tinha uma estação: verão. A previsão do tempo no máximo me diria se iria chuver ou não. Aqui em Edmonton, o tempo pode chegar a 30 graus no verão e -30 graus no inverno, então acompanhar a previsão virou um hábito pra mim.

Para aqueles que acham que depois de zero graus é tudo igual, vos digo que não: o casaco que eu uso com -5 é MUITO diferente do casaco que vou usar com -35. Então eu preciso estar preparada. Inclusive, eu costumo checar a previsão em dois sites/apps diferentes às vezes, só pra ter certeza (#louca).

Pagar tudo à vista

No Brasil, a gente tem o benefício de poder parcelar absolutamente tudo no cartão — o que pode ser ótimo em alguns casos, mas também uma tragédia para quem não sabe controlar os gastos. Aqui no Canadá, você não parcela nada. Quer dizer, tem as exceções como seguro do carro, financiamento de imóvel ou carro etc. Eu percebi que algumas lojas e serviços estão começando a oferecer o parcelamento em alguns casos, mas ainda assim nem chega aos pés do que acontece no Brasil, onde você parcela qualquer brusinha ou compra de farmácia.

Por isso, acabamos nos acostumando a pagar tudo à vista. Sim, pagamos no cartão, mas o valor cheio. No fim, acho que isso é até bom para o nosso controle financeiro.

Deixar de fazer a unha toda semana

Aqui no Canadá eu percebo que muitas mulheres não ligam pra isso de unha feita. Claro que tem as mais ricas, ou executivas ou aquelas que gostam mesmo de pintar a unha, mas no Brasil esse hábito é bem mais comum em diversas classes da sociedade.

O problema é que aqui no Canadá fazer a unha é um hábito caro: salões são caros e até os esmaltes nas lojas são caros (com muitos sendo vendidos a preços que variam entre $8 e $10!). Então acaba não sendo uma prioridade da mulherada. Muitas eu acho que optam pelo tal do acrigel, que dura mais tempo.

Eu ainda pinto a unha em casa de vez em quando, mas eu acho a qualidade dos produtos daqui beeeeeeeem inferior do que os brasileiros. Por isso, quando vou ao Brasil, trago um carregamento de esmaltes ahahahha

Parar de achar que pirataria é algo normal

Nossa, eu já cheguei a defender a pirataria com unhas e dentes. Desde que morei no Canadá, parei de baixar as coisas ilegalmente (e na uma ou duas vezes que fiz isso por falta de opção, me senti péssima!). Aqui o lance de evitar a pirataria é nem reforçado (um amigo uma vez chegou a receber uma multa em casa por ter baixado algo pirata). Não to dizendo que ninguém faz, mas não vejo como uma coisa trivial e generalizada como era no Brasil.

Claro que muitos fatores influenciam nisso, como as questões sociais e financeiras, mas sei que muita gente no Brasil baixa as coisas mesmo tendo dinheiro pra pagar por ela simplesmente por que isso é algo enraizado mesmo nos nossos costumes.

Tomar copos enormes de café

Bom, mais ou menos. Eu não consigo entender como o pessoal daqui consegue tomar aqueles copos gigantes de café (ainda mais o café xinfrim daqui). Mas aqui é ou isso ou expresso, então muitas vezes acabo pedindo um desses copos grandes mesmo. Na verdade, geralmente peço o menor tamanho (e que ainda assim tem 350 ml de café!). Até pra comprar xícara pra casa deu um certo trabalho, já que o pessoal aqui só usa caneca (e das grandes).

Mas tá bom, né, vamos nos acostumando.


Provavelmente tem muito mais coisa, mas achei essas as principais. E você? Mudou alguma coisa depois que mudou de país?